Bom dia traders e investidores!

É com enorme expectativa que os investidores observam hoje o Payroll nos EUA, pois além da criação de vagas, as atenções se voltam à taxa de desemprego, que ajuda no cálculo da curva de Philips, como nos ganhos por hora trabalhada.

Este último é a “inflação” dos salários, sendo uma importante medida de pressão de preços, assim como na leitura do índice de consumo e gastos pessoais (PCE), principal indicador do Federal Reserve para avaliar a inflação nos EUA.

A taxa de participação do mercado de trabalho, ainda que tenha oscilado muito desde seu pico de 67,3% em 2000, permanece próximo à média de 62,8%, mas ainda abaixo do pico de 63,3% que precederam a crise pandêmica.

Este índice mede a participação da força de trabalho ativa na economia, de todos acima de 16 anos de idade e está em ascensão constante desde abril de 2020, quando foi declarada a pandemia.

Para o Fed, ainda que o mercado e seus participantes tenham feito um enorme malabarismo retórico para interpretar as falas de Powell como dovish, o mercado de trabalho continua a ser a principal preocupação para a condução da política monetária e assim, a leitura de um Payroll pior pode ajudar, mas precisa se repetir até a próxima reunião do Banco Central americano.

A abertura na Europa é negativa e os futuros NY abrem em baixa, na expectativa pelos dados do Payroll.

Em Ásia-Pacífico, mercados em rumo, com quedas nas bolsas chinesas, apesar do PMI Caixin acima das expectativas na China para os índices composto e serviços.

dólar opera em queda contra a maioria das divisas centrais, enquanto os Treasuries operam no negativos em todos os vencimentos.

Entre as commodities metálicas, sem rumo, alta no minério de ferro e cobre, ouro e prata caem.
petróleo sobe em Londres e  em Nova York, com os sinais de recuperação da economia chinesa.

Luis Fontes

Luis Fontes is a successful entrepreneur, qualified investor, and FXGlobe Ambassador. Based in Camaçari, Brazil, his trading expertise is in bold but calculated risk-taking.